Vacina russa tem resultados positivos e é eficaz no controle e combate a Covid-19

Por Lívia Tomazelli e Mariana Monary

Informe Post – 04/09/2020 | 11h40

A vacina Sputinik V, criada pela Rússia para combater o Coronavírus, é eficaz e não provoca efeitos colaterais.
Pelo menos é o que diz, um estudo publicado nesta sexta-feira, 4 de setembro, pela The Lancet, a mais importante revista de ciência do Reino Unido.

Os testes com a vacina foram feitos em seres humanos, em junho e julho.
Com os resultados promissores iniciais o governo russo autorizou a produção da vacina a partir de agosto.
A expectativa é que já em setembro, os cidadãos russos comecem a ser imunizados com a droga.

Mas cientistas internacionais ainda tinham algum receio quanto a vacina testada rapidamente.
Agora com o aval da The Lancet, a vacina ganha reforços importantes para se impulsionar no mercado.
É a primeira vacina que é aprovada pela comunidade científica, para combater a Covid-19.

Os estudos mostraram que, ao ser aplicadas em adultos saldáveis, a vacina não mostrou efeitos colaterais.
E fez os sistemas imunológicos criarem respostas rápidas contra a doença, impedindo essas pessoas de contraí-la.

Esse pode ser, o momento mais promissor e claro, num tratamento para combater a nova infecção que se transformou em pandemia,
matou mais de 850 mil pessoas e infectou milhões em todo o mundo.

A vacina russa, está sendo testada no Brasil, graças a um contrato entre os russos e o governo do estado do Paraná.
Antes da publicação da revista, outros estados não demonstraram interesse pela droga.
Mas outras vacinas estão em testes no país.
A chinesa e a do Reino Unido.